Vladimir Maiakovski (1893-1930)

Um dia, quem sabe,
ela, que também gostava de bichos,
apareça
numa alameda do zôo,
sorridente,
tal como agora está
no retrato sobre a mesa.
Ela é tão bela,
que, por certo, hão de ressuscitá-la.
Vosso Trigésimo Século
ultrapassará o exame
de mil nadas,
que dilaceravam o coração.
Então,
de todo amor não terminado
seremos pagos
em inumeráveis noites de estrelas.
Ressuscita-me,
nem que seja só porque te esperava
como um poeta,
repelindo o absurdo quotidiano!
Ressuscita-me,
nem que seja só por isso!
Ressuscita-me!
Quero viver até o fim o que me cabe!
Para que o amor não seja mais escravo
de casamentos,
concupiscência,
salários.
Para que, maldizendo os leitos,
saltando dos coxins,
o amor se vá pelo universo inteiro.
Para que o dia,
que o sofrimento degrada,
não vos seja chorado, mendigado.
E que, ao primeiro apelo:
– Camaradas!
Atenta se volte a terra inteira.
Para viver
livre dos nichos das casas.
Para que doravante
a família seja
o pai,
pelo menos o Universo,
a mãe,
pelo menos a Terra.Vladimir Maiakovski (1893-1930)

Anúncios
Publicado em Poemas | Deixe um comentário

Apologia da História ou O Ofício de Historiador – MARC BLOCH

Apologia da História ou O Ofício de Historiador

Marc Bloch – Apologia da História

Publicado em Livros | Deixe um comentário

A Sociedade Feudal – MARC BLOCH

A Sociedade Feudal – MARC BLOCH.

Marc Bloch – A Sociedade feudal

Publicado em Livros | Deixe um comentário

O Homem Cruel

Friedrich Nietzsche, in ‘Humano, Demasiado Humano’

O Homem Cruel

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Da porta para dentro: Servilismo doméstico é uma dominação oculta, que subjuga e desumaniza a mulher

“Naquela altura nem se punha a hipótese de desobedecer ou contrariar. (…) Eu interiorizava esse sofrimento para mim mas… tomar qualquer atitude de rebeldia… nem pensar. Não me passava pela cabeça. Sofria muito”. Na história da vida privada permanece oculta uma figura feminina central: a trabalhadora doméstica. Relatos como o de Amélia Torcato sobre sua experiência na década de 1960 em Portugal trazem à tona o passado de mulheres cuja vida foi marcada pela pobreza e pelo servilismo no lar.

Da porta para dentro

Publicado em Artigos | Deixe um comentário

Dossiê Faces da pobreza: o lugar do pobre

Dossiê Faces da pobreza

Em meados do século XIX, as elites gaúchas lançaram uma discussão: o que fazer com os indigentes? Uma das soluções propostas foi o envio de libertos para a África; outra foi a criação de asilos que os afastassem do convívio social.

Publicado em Artigos | Deixe um comentário

Dossiê o tempo presente: a ditadura nas bancas

Dossiê o tempo presente

As reflexões sobre a história do tempo presente produzidas nas últimas décadas contribuíram para a legitimação dessa área não só pelos historiadores, mas por pesquisadores de outros campos das humanidades.

Publicado em Artigos | Deixe um comentário